ANILDOMA WILLANS DE SOUZA

Caros amigos e amigas.

Quem faz cultura são as pessoas. O poder público tem a obrigação de incentivar, potencializar, garantir as condições para que os cidadãos se manifestem artisticamente e culturalmente.

Tenho certeza que a gestão municipal vem cumprindo sua missão nesse fértil campo das artes. Até por que, assertivamente, Luciano Duque confiou à referida pasta a um militante histórico, que construiu seu nome fazendo arte e transitando pelas instituições do Estado e do país, permitindo mobilizar recursos para investir na cidade, promovendo a autoestima da Capital do Xaxado, em ações como:

FLIST – FESTA LITERÁRIA DE SERRA TALHADA, que acontece todos os anos na primeira semana de maio, movimentando o mercado literário, estimulando os jovens pra leitura, com programações que envolvem artistas circenses, teatro, contação de histórias, estandes pra editoras e escritores de expressão nacional e regional, como Raimundo Carrero, o repórter Francisco José, Dedé Monteiro, Bráulio Tavares, Chico Pedrosa, entre muitos outros.

CARAVANA CULTURA VIVA – A ação reúne grupos de alunos das oficinas, espetáculos prontos e artistas convidados e, como uma trupe mambembe, no meio da rua ou da praça, faz o público se deliciar com belas apresentações, interagindo com as pessoas, da criança ao idoso, todos se sentem envolvidos na magia da arte. A CARAVANA CULTURA VIVA percorre os bairros e distritos da cidade com danças, teatro, cinema e apresentação musical.

ENCONTRO DAS CULTURAS POPULARES E TRADICIONAIS – Nos dias 20 e 29 de novembro de 2015, aconteceu o IX ENCONTRO DAS CULTURAS POPULARES E TRADICIONAIS, uma realização da Prefeitura Municipal de Serra Talhada, através da Secretaria de Cultura e Turismo, em parceria com o Ministério da Cultura. O evento contou com mostra de cinema, música, teatro, gastronomia e várias ações culturais, incluindo oficinas. Entre as principais atrações, o cantador Pereira da Viola, os grupos Velha Guarda da Mangueira, Cabras de Lampião, Coco Raízes de Arcoverde, Os Nonatos, Lia de Itamaracá, Roberta Aureliano, Assisão, João Donato, Mestres do Carimbó, Mestres do Fandango do Paraná e o Maracatu Estrela de Ouro de Aliança.

FESTIVAL SER TÃO – De 27 a 31 de dezembro de 2017, a cidade abriu as portas para receber o “Festival Ser Tão”. A música e as celebrações regionais reunirão artistas de diversas manifestações culturais no palco do festival. Durante os cinco dias de evento, mais de trinta artistas da cena musical pernambucana participaram do festival. Maestro Forró e a Orquestra da Bomba do Hemetério; Almir Rouche, Nádia Maia, Irah Caldeira, André Rio, Cezzinha, Maciel Melo, Adiel Luna, Antulio Madureira, Ed Carlos e Quinteto Violado, Santana, O Cantador, Trio Nordestino e Luizinho de Serra. Além dos shows, a programação contou, ainda, com várias apresentações culturais: Caboclinho 7 Flechas de Goiana; Coco Popular de Aliança; Maracatu Nação Pernambuco; Boi Cara Branca de Limoeiro, entre outros. Atrações culturais de outros estados também estiveram na grade de apresentações: o músico e pianista, João Nonato, do Acre; o mamulengueiro Chico Simões, de Brasília; e por fim, a cantora e compositora Flávia Bittencourt, de São Luiz do Maranhão.

FESTIVAL VIVA A CONCHA – O Festival Viva a Concha aconteceu de 21 a 24 de dezembro de 2018 na Concha Acústica, em Serra Talhada. O evento teve uma mistura de ritmos, com uma programação diversificada entre o romantismo e o sacro, o pop romântico e a MPB, brindando os apaixonados pela cultura na Capital do Xaxado, com as atrações no quilate de A Cristaleira, Quinteto Violado e Cristina Amaral, Fernando Marques e Rimas e em Canto, Almir Rouche e Adilson Ramos, Felipe Filho, Irah Caldeira e Grupo Cordeleza, Banda Rossi e Los Cubanos.

AULA ESPETÁCULO BATE PAPO COM O MESTRE ASSISÃO – A Aula Espetáculo com Assisão visita as escolas  falando da origem do forró, da cultura do sertão e estimulando a juventude para preservarem seu patrimônio cultural, fazendo um verdadeiro trabalho de base. O Mestre Assisão conta histórias, fala de sua experiência, canta e declama, com participação de dançarinos.

POLO CULTURA VIVA – Dentro da Programação da Festa de Setembro um recorte ganha cada vez mais visibilidade. Trata-se do POLO CULTURA VIVA onde artistas da cultura popular, de expressão nacional e regional, fazem a Festa de Setembro manter-se como momento poético, cultural, religioso e aberto para todos os gêneros e linguagens: Noite do Rock, Final do Cantando na Concha, são parte da programação tão aguardada, juntamente com grupos de danças populares, Concerto Anos Dourados Vilabellense, Ágda Moura / Lila, Orquestra Sanfônica Israel Gomes, As Severinas, Raphael Moura, Cilene Araújo, Henrique Brandão, Quinteto Violado, Damião Mota, Assisão, entre muitos.

JANEIRO DE GRANDES ESPETÁCULOS, EM SERRA TALHADA – O Festival Internacional de Artes Cênicas e Música de Pernambuco – Janeiro de Grandes Espetáculos – desde sua edição de 2019,  estende sua programação até Serra Talhada, trazendo para a Capital do Xaxado grandes nomes da dramaturgia nacional e regional, oportunizando ao público do sertão momentos marcantes nas artes cênicas. E assim, o público tem prestigiado espetáculos do Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, etc.

ENCONTRO PERNAMBUCANO DE FORRÓ – Realizado pela Prefeitura de Serra Talhada em parceria com o extinto Ministério da Cultura, de 04 a 07 de setembro de 2018, durante a Festa de Setembro, no Polo Cultura Viva, que trouxe para Serra Talhada artistas do calibre de Petrúcio Amorim, Flávio Leandro, Waldir Santos, Geraldinho Lins, entre outros forrozeiros importantes que se apresentaram na Capital do Xaxado.

Quando se fala que os artistas só se apresentam antes ou depois das grandes atrações, demonstra um desconhecimento total do que acontece na cidade.

OFICINAS DE ARTES – O que você acha de nomes como Aluízio Fernão ministrando aulas de desenhos artísticos e pintura? E no Maestro Cícero Fylho dando aulas de Canto Coral? Do Mestre Nilsão ensinando a garotada tocar percussão? Conhece a Escola de Artes, onde dezenas de pessoas têm aulas de diversos segmentos na costura? Os atores Modesto Barros e Carlos Silva ministram oficinas de iniciação ao teatro, Cida ensina crianças a fazerem pintura em pedras, o Mestre Gil Silva dedica-se com talento e maestria a aulas de frevo. Pois é, diariamente acontecem diversas oficinas de formação artística continuada: Percussão, Canto Coral, Pintura em Pedras, Danças e Teatro, no CEU DAS ARTES e na ESTAÇÂO DO FORRÓ. São realizadas Oficinas nos bairros: Mutirão, Caxixola, Vila Bela, Bom Jesus, Vila Ferroviária e estávamos implantando nos Bairros, Tancredo Neves e Borborema, mas fomos impedidos pela pandemia. E ainda trabalhamos com cursos para Produtores Culturais, com fins em captação de recursos e editais, em parceria com SEBRAE, FUNDARPE, Fundação Joaquim Nabuco e ARTEPE.

TVST – TV SERRA TALHADA, foi uma das maiores conquistas da Cultura. Pois se trata da primeira televisão pública municipal do Brasil. Aonde a cidade vai se ver. Além da TV, agregam-se oito cineclubes e um núcleo de produção.

MINHA CIDADE TEM HISTÓRIA, oportunizando crianças e jovens das escolas da Rede Municipal de Ensino conhecem os locais históricos da cidade;

Revitalização do Parque de Exposição das esculturas de Ronaldo Aureliano – Estação do Forró.

Apoio a ACADEMIA SERRA-TALHADENSE DE LETRAS, cedendo um dos prédios da antiga Estação Ferroviária para ser Sede própria da ASL;

Inauguramos o CEU DAS ARTES/Centro de Artes e Esportes Unificados, no Bairro Caxixola, em conjunto com as secretarias afins, sendo o maior complexo cultural do sertão e, diga-se de passagem, um dos melhores equipamentos culturais do interior de Pernambuco.

Como digo, as iniciativas da sociedade civil ganham potencialidade com a parceria da gestão, onde apoiamos aos eventos:

  • Festival Cantando na Concha.

  • Sexta da Viola.

  • Cangaço Rock Fest.

  • Encontro de Hip Hop.

  • O Massacre de Angico – A Morte de Lampião.

  • Encontro Nordestino de Xaxado.

  • Festival República do Rock.

  • Encontro de Capoeiras Muzenza.

Durante esta PANDEMIA realizamos as LIVES LIVRES, com mais de 50 (cinquenta) atrações artísticas de Serra Talhado se apresentando e recebendo seus cachês. A Escola de Arte Antônia Pereira teve um destaque importante nesse momento pandêmico. Disponibilizamos o corpo de professoras para confeccionar centenas de mascaras descartáveis. Portanto, a gestão não está ausente nesta triste fase para os artistas.

Serra Talhada ainda precisa de muitas ações na cultura, até por que a inquietação dos que fazem arte requer uma dinâmica fora do alcance dos poderes públicos. Por isso a arte é feita pelas pessoas, pelo povo.

MEMÓRIA – Serra Talhada tem dois equipamentos de memória: O MUSEU DA CIADE, na Casa da Cultura, e o MUSEU DO CANGAÇO, na Estação do Forró. É bacana salientar que são dois museus que recebem visitas de todo Brasil.

TEATRO ARNAUD RODRIGUES – Um dos espaços mais esperados para os adeptos das artes cênicas. Conseguimos os recursos para parte de alvenaria. Estamos na peleja buscando recursos para equipagem.

Vê-se, portanto, que não somos apenas Xaxado, mas o Xaxado e o cangaço, com seu maior expoente, são, de fato, nosso maior atrativo turístico e cultural. O fenômeno cangaço é estudado no mundo inteiro, várias cidades no Nordeste exploram a imagem de Lampião como atrativo turístico. Portanto, nossa cidade também precisa aproveitar melhor a imagem de Lampião. Não digo fazer apologia ao crime ou banditismo, mas trabalhar turisticamente, reconhecendo a influência do cangaço na identidade cultural do povo nordestino.

LEI ALDIR BLANC – Uma conquista da classe artística, da qual venho participando ativamente dos debates nacionais e regionais, construindo saídas para a cadeia produtiva da cultura. Serra Talhada desenvolverá a partilha dos recursos na forma mais ampla e transparente, atendendo os trabalhadores da cultura, em todos os segmentos e linguagens.

Sou atuante no terreno da cultura desde o final dos anos setenta, isso mesmo, mais de quarenta anos fazendo teatro, declamando poesias, realizando atividades com outros coletivos, dentro das igrejas e nas escolas, nos terreiros de casas e no meio da rua, nas praças e em auditórios. Faço cultura me colocando a serviço da liberdade, do respeito, dos direitos, uma arte engajada.

É claro, como gestor público, tenho obrigação de servir a população, assegurando as condições para exercerem o sagrado direito de se manifestarem e fazerem arte da melhor forma possível.

Sempre fui um cidadão das artes, nunca precisei ocupar cargo público pra atuar na cultura. Fiz e faço como cidadão.

O meu trabalho na cultura é sério, duradouro, consistente, reconhecido, premiado e copiado em todo Brasil. Serra Talhada tem se destacado em Pernambuco e no Brasil como um Polo Cultural de referência e a equipe da Fundação Cultural tem sido solicitada para dar consultoria cultural, inclusive para a Secretaria Especial de Cultura, com informações acerca das atividades em nível nacional. Com esse reconhecimento, venho fazendo parte da Comissão que elaborou a Lei de Emergência da Cultura.

Isso é porque o faço com seriedade, competência, honestidade e uma dedicação sacerdotal. Sou militante da cultura há mais de 40 anos. Não é hobbie, não é entretenimento, não é distração. É uma dedicação ideológica, pautada na vontade de transformar o mundo ou, pelo menos, a minha cidade. Não admito falsas acusações ou insinuações rasteiras que coloquem em xeque meu caráter, meu serviço prestado e minha militância cultural. A história é testemunha dos meus atos e de minha contribuição. O meu serviço prestado a cultura está acima de qualquer gestão política. Exijo respeito e serenidade. E que o debate político seja construído a partir de ideias e propostas positivas, e não baseado em mentiras e falsas verdades.

Saudações cangaceiras,

Anildomá Willans de Souza / DOMÁ