“A dança me transformou totalmente. Hoje eu não me imagino fazendo outra coisa e nem sei o que seria de mim sem a Fundação Cultural Cabras de Lampião. Talvez seria apenas, mais uma Stéfany e não há Cangaceira Lídia (sua personagem no espetáculo), a Tia Stéfany, Tefa, Cabelão. Sou muito grata e me sinto privilegiada em fazer parte desta família”. Afirma com propriedade a senhorita Suzane Stéfany da Silva Lima.

Com cabelos volumosos, cacheados e tão brilhantes quanto ela procura ser. Stéfany, nasceu como primogênita do casal: Esmeraldina Barbosa da Silva Lima (Esmeralda) e Francisco dos Santos Lima (Dedé), sendo a gravidez de gêmeas (ela veio primeiro) em cesariana no dia 05 de abril do ano da graça de 2000 às 18h e 20minutos em Serra Talhada.

Logo em seguida fui mora em Triunfo, onde fiquei até os 2 anos de idade. Tenho 2 irmãs Suziane Stefânia (a gemia). Aff aquela ‘moleca’ é minha vida; não encontro nem palavras para falar dela, minha irmãzinha minha vida todinha é ela e Suziely Stevânia que veio dois depois”. Relata.

Seus Avós Luzanira Generosa de lima, Joaquim de Ana, Maria Vanderlei da Silva e Sebastião Barbosa da Silva. “Estudei na escola Tempo de Avançar do pré 2 até a 4° serie (5° ano) em seguida fui para escola Solidônio Leite, onde conclui o ensino fundamental e médio no ano de 2016 hoje estou cursando no CEPEM – Centro de Ensino e Pesquisa Em Emergências Médicas o 2° módulo de Técnica de enfermagem”. Diz a determinada dançarina.

Seu início na vida artística aconteceu no grupo ‘As Belas da Vila’, através de sua participação na oficina de Danças Populares no bairro Vila Bela, através da Oficina de Danças Populares promovida pela Secretaria de Cultura e Turismo do munícipio no ano de 2014, tendo como resultado final o grupo supracitado formado somente por meninas, sob a coordenação de Leidjan Dantas, conhecida como ‘Xuxa’ e que integra a FCCL a mais de 20 anos.

“Nesta Oficina aprendi a dançar o Xaxado e o Samba de Coco e foi este grupo que me trouxe o passaporte para o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, no qual fiz meu primeiro ensaio em 5 de março de 2016, fazendo minha estreia em junho deste mesmo ano”. Relembra a jovem dançarina com alegria.

Indago a artista de sorriso largo e espontâneo sobre uma apresentação/viagem marcante, já que o grupo de Xaxado circula pelo Brasil todinho, ela rapidamente responde: “A ida para o Rio de Janeiro foi especial, afinal, era a primeira vez que saia de Pernambuco e também, a primeira vez a andar de avião, a primeira viagem longa, o primeiro desafio longe da presença da família biológica. Vivi muitas emoções, conheci aqui pessoas incríveis e admiráveis, só tenho a agradecer e fazer o possível para permanecer nesta empreitada artística que me traz tanto conhecimento e oportunidades”.

A dançarina popular foi ganhando destaque e agarra com unhas e dentes as tarefas que lhe são confiadas. Desde 2017 coordena com Emanuel de Carvalho o Grupo de Herdeiros do Xaxado, com alunos/dançarinos de 4 a 11 anos, atividade formativa do Ponto de Cultura Cabras de Lampião; também íntegra um outro espetáculo da FCCL – Mistura Pernambucana, que apresenta diversas danças em sua composição (frevo, ciranda, cavalo marinho, dentre outros ritmos) e é monitora/guia na recepção do Museu a quase dois anos.

Por Carlos Silva – Assessor de comunicação da FCCL