Eles moram a muitos anos no bairro Alto da Conceição em Serra Talhada, estamos falando de Maurício Francisco de Souza de 70 anos, mais conhecido como Neném da Sanfona, mestre na arte de tocar e consertar acordeons e seu irmão Paulo Francisco de Souza, o seu Paulo da Zabumba de 67 anos, que integram desde 2008 o Quarteto Cabras de Lampião, fazendo ao vivo as Músicas dançadas pelo Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, que traz na composição atual Sandra Klebya e Leidjan Dantas.

Tendo herdado do pai (seu Euclides Francisco de Souza), o talento para a música, e com a benção da Mãe Srª. Luisa Maria da Conceição, eles fazem história com o Forró Pé de Serra por onde passam. Seu Neném desde 14 anos de idade e seu Paulo a partir dos 10 anos de vida já fazia tocadas; seja na Sanfona, Zabumba, Triangulo, Violão, entre outros instrumentos, eles desenrolam e fazem a animação.

Já animaram muitas festas e eventos nesta empreitada e fizeram muitas tocadas em grupos culturais da cidade, no Grupo Manoel Martins seu Paulo tocou por quase 15 anos e seu Neném ficou 12 anos, depois ficaram uma temporada no grupo Raízes do Cangaço, coordenado por Giovanni Sá e Fátima Alves. “Em 2008 veio o convite de Cleonice mais Domar pra tocar com os Cabras de Lampião, aqui é só alegria; essa turma é boa e fazemos muitas tocadas por todo canto do Brasil”. Diz seu Neném.

Seu Paulo, ingressou no Grupo de Xaxado Cabras de Lampião em 2010, sempre um irmão seguindo o outro, já que nasceram marcados pelo som dos instrumentos musicais e seu pai os ensinou o ofício: “os forrós sempre fizeram parte da nossa vida desde menino e a gente vai fazendo outras atividades mais mantendo uma ligação direta com a música”. Diz seu Paulo com a alegria de quem faz o que gosta. Ele fala que nunca casou de papel passado, mas têm 7 filhos e já soma 13 netos. Foi pedreiro durante mais de 20 anos, hoje nas horas vagas trabalha numa F-4000 entregando água e se considera um ‘faz tudo’: “Faço de tudo um pouco, mas gosto mesmo é das tocadas. Com o grupo de Xaxado já viajei pra muitos lugares, o que mais gostei foi o Rio Grande do Sul”. Comenta com entusiasmo.

  Seu Neném foi barbeiro por mais de 20 anos, pedreiro, armador de ferro, encanador, pintor e a quase 35 anos é consertador de Sanfona: “quando tem jeito, quando não tem, aviso logo que não faço gambiarra”. Ri ao fazer a afirmação. Com este oficio adquiriu respeito e prestígio dentro e fora de Serra Talhada. Além de ressuscitar acordeons vindos do Recife e de mais sete cidades do sertão, também tem clientes fiéis nos Estados do Ceará e da Paraíba e já fez reparos no instrumento de um dos maiores sanfoneiros do Nordeste, o maestro Camarão.

Tocar sanfona, consertar, desmontar, montar e afinar este instrumento são verbos presentes desde sempre na vida de Neném Sanfoneiro, hoje viúvo, com 3 filhos e 9 netos, que trazem no sangue o gosto pelos instrumentos, um dos filhos toca e canta em um trio de forró. Ele fala com sorriso: “só falta os bisnetos”.

Pergunto sobre uma viagem inesquecível e algo marcante que tenha vivido na jornada com o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, ele responde: “foi com ele (o grupo) que andamos de avião a primeira vez e que também tivemos um susto, numa viagem que foi pelo aeroporto de João Pessoa, o ‘Bicho’ arrastou a asa, deu uma tremida… (ri) E a viagem que mais gostei foi pra o Rio Grande do Sul, lá é bom e o festival animado”. Afirma.

Para os dançarinos e a direção do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, eles são queridos e bem aplicados no que fazem, ensaiam e estão sempre prontos para fazer o espetáculo acontecer com a presteza e a qualidade que é marca do Bando da Cultura do Nordeste. Vida longa a esses dois irmãos marcados pela musicalidade popular e de raiz.

Por Carlos Silva, Assessor de Comunicação da FCCL