OFICINA DE DANÇAS POPULARES

Não apenas o entretenimento, mas o 14º ENCONTRO NORDESTINO DE XAXADO deixa um legado de contrapartida que precisa ser verificado com bastante carinho: AS OFICINAS. Alguns dos grupos que vem compor a programação trazem na bagagem suas experiências e estas serão compartilhadas com as pessoas em Serra Talhada, conforme nota-se na agenda abaixo:

BALÉ POPULAR DA AMAZÔNIA, do Pará. – A oficina ofertada  pelo Balé Folclórico da Amazônia folclórico da Amazônia na realidade e uma ação pedagógica intitulada “Contando e Cantando com Dança” , trata-se de uma sessão de contação de historias sobre duas  lendas amazônicas que serão ilustradas com canções que tem como tema estas lendas,  é, principalmente, destinada a estudantes de ensino fundamental. Além da contação de história, os alunos serão convidados a  aprende a dançar carimbo. O oficineiro contador das historia será Eduardo Vieira, acompanhado de um pequeno grupo de músicos e bailarinos. A aula de Carimbó será ministrada pelos bailarinos Renata Montelo e  Mauro Pantoja.

=>Local: Serviço de Fortalecimento e Convivência de Vínculos, no Bairro Mutirão – Data:Dias 07 de novembro. Hora:Das 15 às 17 horas.

=>Local: Colégio Irnero Ignácio – Data:Dias 08 de novembro.

Hora:Das 15 às 17 horas.

GRUPO DINÂMICO CULTURAL, da Paraíba. – A oficina será conduzida em ritmo de aulão.

OFICINA DE RITMOS POPULARES – A oficina de ritmos aborda diversos ritmos populares para fazer que cada pessoa tenha a oportunidade de conhecer varias danças como o Xote lento e rápido, os ritmos que inclui dois passinhos dois pra lá e dois pra cá como o Xote, Bolero que tem o mesmo passo. Forró antigo e atual, anos 60, Coco de Roda, Samba de Roda, o próprio Xaxado e encerrando com uma grande ciranda com a presença de todos. Cada dança será adaptada aos idosos.

=>Local: CEU DAS ARTES – Data: Dias 07 e 08 de novembro. Hora: Das 15 às 17 horas.

CABRAS DE LAMPIÃO, de Pernambuco. – O Xaxado é a dança criada pelos cangaceiros de Lampião. Ainda na época do Cangaço tornou-se popular em todos os bandos de cangaceiros espalhados pelos sertões nordestinos. Era uma dança exclusivamente masculina, até porque naquela época ainda não havia mulheres no Cangaço. Faziam da arma a dama. Dançava-se em fila indiana, o da frente, sempre o chefe do grupo, puxava os versos cantados e o restante do bando respondia em coro, com letras de insulto aos inimigos, lamentando mortes de companheiros ou enaltecendo suas aventuras e façanhas. A Oficina faz uma abordagem teórica, sobre a história e origem do Xaxado, em seguida uma mostra de passos e ensino de passos. A Oficina será ministra pela dançarina e arte educadora Gorete Lima.

=>Local: Museu do Cangaço – Data: Dias 06, 07 e 08 de novembro.

Hora: Das 08 às 12 horas e das  14 às 17 horas.

CIA DE DANÇA XAXADO, do Rio Grande do Norte – Trabalhar com os elementos dos cocos de roda, para que os alunos conheçam, vivenciem e explorem seus saberes nas danças vivenciadas. O DANÇA CRIATIVA e COCO: Compreender, saber identificar e executar movimentos das danças do coco de roda de cada estado. Possibilitar uma relação ao esquema corporal, ritmo, coordenação motora, expressão corporal, criatividade a partir de sua vivencias corporais  e culturais.

=> Local: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, no Bairro Mutirão – Data: Dias 06  de novembro. Hora: Das 15 às 17 horas.

=> Local: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, no Bairro Vila Bela – Data: Dias 07  de novembro. Hora: Das 15 às 17 horas.

DENISE AZEREDO, do Rio Grande do Sul. – Oficina de DANÇA DO BAMBU. É uma dança de origem indígena, proveniente da América Central, praticada por ocasião das chuvas. Dança de desafio, confiança e cumplicidade, onde todos os dançarinos dependem da ajuda do outro. A oficina trabalha através da dança o espírito de equipe, a confiança no colega, o respeito e cuidado com o outro.

=>Local: Escola Antonio de Medeiros, no Bairro Borborema.

Data: Dias 07 e 08 de novembro – Hora: Das 15 às 17 horas.

OFICINA DE GASTRONÔMICA

BOHMERLANDTANZGRUPPE E HERTA KLEIN, do Rio Grande do Sul – O ARROZ DE CARRETEIRO,  ou simplesmente carreteiro, é um prato típico da Região sul do Brasil (embora, atualmente, já esteja incorporado à cozinha brasileira, sendo comum saboreá-lo em todo o país). É feito de arroz ao qual se adiciona carne-seca ou carne de sol desfiada ou picada, às vezes paio e linguiça em pedaços, refogados em bastante gordura, com alho, cebola, tomate e cheiro-verde.  Nas regiões Centro-Oeste e Nordeste do Brasil, é também conhecido como Maria-Isabel, e preparado com carne de sol.

CUECA VIRADA –  Cavaquinho, ceroula virada ou orelha de gato no Brasil ou coscorão, no Brasil e em Portugal, é uma espécie de filhó, um doce feito de massa de farinha de trigo e ovos, estendida numa tira larga e fina, que é frita e depois polvilhada com açúcar. Muitas vezes, antes de fritar, a tira de massa leva um corte no meio para se poder fazer um nó. Este tipo de doce segue receita dos romanos e está normalmente associado a época de carnaval. Antigamente na Europa a época entre carnaval e páscoa era marcada por jejum, então a quinta feira antes do carnaval era chamada “quinta-feira gorda”, ou seja, a última chance de comer antes deste período, sendo este doce uma das atrações principais. Também pode ser associada ao Natal e Ano Novo e foi levado pelos colonos para várias regiões do mundo.

=>Local: Cozinha Comunitária do Bom Jesus – Data: 06 e 07 de novembro. Hora: Das 15 às 17 horas.