Lampião é tema de mais um livro: LAMPIÃO E O SERTÃO DO PAJEÚ, de Anildomá Willans de Souza.  O cangaço se configura como um dos fenômenos mais intrigantes da história do povo nordestino. Com duração de quase 80 anos, teve no Sertão do Pajeú um de seus principais cenários.

O lançamento ocorrerá na próxima sexta feira, dia 25 de maio, às 19:30, no Museu do Cangaço, na Estação do Forró, em Serra Talhada.

Outros lançamentos estão previstos pra Recife, Caruaru e até o mês de agosto será lançado em todas as capitais do Nordeste.

 O LIVRO:

LAMPIÃO E O SERTÃO DO PAJEÚ trás a saga do Rei do Cangaço dentro de um território ou espaço geográfico – o Sertão do Pajeú – e de um período do tempo, que inicia quando ele foi empurrado para o cangaço, a partir da morte do seu pai, em 1920, até sua travessia do Rio São Francisco, quando deixou pra trás o sertão pernambucano, em 1928, instalando seu reinado na Bahia e Sergipe. O autor foi buscar depoimentos de ex-cangaceiros e ex-volantes, além de declarações de pessoas que testemunharam algum fato ou passagem de Lampião e seus cangaceiros, narra as cidades, vilas e fazendas que foram invadidas ou visitadas pelos cangaceiros, os memoráveis tiroteios, seus protetores que forneciam armas e munições, matérias de jornais da época noticiando as peripécias do distante sertão, Boletins de Ocorrências e telegramas trocados entre os comandantes de polícia do interior e as autoridades da capital dando noticias dos movimentos dos cangaceiros. O livro tem 210 páginas.

O AUTOR:

Anildomá nasceu e se criou no Sertão do Pajeú. Seu trabalho de pesquisa tem a precisão e a delicadeza que somente alguém nascido nas mesmas ribeiras do Rei do Cangaço teria para contar. Inclusive, a forma de “contar a história” é uma singularidade do autor, permitindo ao leitor sentir o cheiro do mato, o calor sertanejo, como se estivesse ali, no meio dos cangaceiros, testemunhando o fato histórico.

LAMPIÃO E O SERTÃO DO PAJEÚ preenche uma importante lacuna na extensa bibliografia lampiônica. É um pedaço de Lampião que está sendo resgatado. O Pajeú dos homens bravos, da poesia dos repentistas, dos cantadores, das belas mulheres, do rio mágico que aguça inspiração universal, foi também referência na construção mitológica do menino Virgolino ao Capitão Lampião.

SERVIÇO:

Adquira o seu no MUSEU DO CANGAÇO ou na CASA DA CULTURA. Ou pelos telefones  (87) 3831 3860 e (87) 99918 5533. E-mail:lampiaoeosertaodopajeu@gmail.com