“Refletiu nos meus olhos, adeus solidão.

Duas histórias que se cruzam sem intenção,

Combustível pra alma, minha inspiração,

Povoando minha existência e imaginação”.

 Ítalo começa citando estes versos de uma música da Banda “Maneva” da qual gosta muito e diz que o trecho o define.

Menino, que o filho da sorridente Geani Maria Rodrigues da Silva e Francisco Valmir dos Santos, nasceu inspirado para artes em diversas vertentes. O garoto vai da poesia à dança, da música às artes marciais, do teatro ao artesanato, da logística à arte-educador, de enotécnico à assistente de produção, e se adapta rapidamente a qualquer tarefa que tenha condições de realizar. Neto de agricultores, o menino de olhos verdes, chegou a este mundo na Maternidade São Vicente, em 10 de maio de 1996.

Frequentou por muitos anos a Escola Antônio Timóteo no bairro Bom Jesus, onde sempre morou e, com certeza, foi dali que saiu desde cedo a motivação para as manifestações artísticas e culturais. Desde os 3 ou 4 anos de idade, já frequentava aulas de Capoeira, oficinas de teatro e de danças, tendo ficado mais séria sua iniciação na arte popular, a partir de 2007, quando passou a frequentar os cursos de Danças Populares providos pelo Ponto de Cultura Cabras de Lampião, integrando o Grupo de Xaxado Cangaceiros de Villa Bella e em seguida o Grupo de Danças Gilvan Santos, interpretando o Lampião dentro do espetáculo; em 2013 passa a integrar o elenco principal do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, com apresentações em diversas cidades e festivais do Brasil.

Sobre este período ele fala: “um bom professor deixa em cada um dos seus alunos uma marca indestrutível, um pedacinho do seu ‘eu’, da sua sabedoria, que não atrapalha, que muitas vezes não se consegue rastrear até ele, mas que está lá e evolui com cada um que, através do exemplo do mestre, se inspira a seguir carreira”. Diz ele, referindo-se a Edilson Leite, seu primeiro mestre no Xaxado.

Teve participação ativa em todos os projetos e atividades artísticas nas escolas Solidônio Leite, onde estudou por dois anos; voltando em seguida para a Escola Antônio Timóteo, onde conclui o Ensino Médio. Frequentou o Pro-jovem, se destacando nas atividades com artes, sempre com uma indelével criatividade, e começou a cursar História na AESET/FAFOPST, tendo trancado recentemente, mas em breve pretende voltar.

Sua formação nas artes é plural. Integrou o Grupo de Capoeira Muzenza do Estagiário Nego. Fez cursos de Teatro com Modesto de Barros e a Oficina de Iniciação Teatral ministrada pelo artista carioca Cassiano Gomes, pelo Ponto de Cultura Centro Dramático Pajeú. Participou do Grupo Fristep Eletro Slide Machine, composto por amigos de infância, onde fez várias apresentações, sempre com muito talento e ousadia.

Além das aulas de Danças no Ponto de Cultura Cabras de Lampião, segue, sempre que possível participando dos cursos e oficinas promovidos pela FCCL e seus parceiros, além de seminários, conferencias, palestras e similares para enriquecer ainda mais seu currículo artístico.

Recentemente, se formou em Faixa Roxa de Karatê, treinamentos ministrados por Danilo, e atualmente, vem treinando jiu-jítsu na faixa Branca. Também anda se aperfeiçoando no estiramento de violão. Integra o elenco principal do espetáculo teatral ao ar livre O Massacre de Angico – A Morte de Lampião; é Guia/Monitor no passeio “Nas pegadas de Lampião” – Museu do Cangaço, desde 2013; Instrutor de Danças Populares e Artes Marciais no Programa Mais Educação – Escola Municipal Antônio Medeiros e na Escola Estadual Methódio de Godoy Lima, dentre tantas outras atividades já realizadas e que realiza.

Sua atividade atual é no CRI – Centro de Referência do Idoso como Arte-educador onde já é querido por todos, programa desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania. Atua no grupo de Xaxado Cabras de Lampião e têm atividades nos eventos realizados pela Fundação Cultural Cabras de Lampião, onde, neste ano, realizou um sonho antigo: voar, isso mesmo!

“Andar de avião, estar sobre as nuvens era algo que queria muito fazer, e havia um receio, algo que bloqueava tal intento, e neste ano, na turnê que o grupo de Xaxado fez para o estado de São Paulo, em junho, conversei com um colega e com outro, e fui viver mais essa experiência incrível. É realmente muito positivo e tranquilo, já quero voar de novo”. Ressalta o dançarino que representa no espetáculo de Xaxado, Santílio Barros, que é o verdadeiro nome do cangaceiro Gato.

Para finalizar ele diz:

“Dei mil vivas de alegria…

A felicidade sentida salta no peito.

Por estar contente e falar ao mundo inteiro

Que sou nordestino sem medo e sem receio.

E trago com muita energia o Xaxado: cultura e folia

Da capital do Xaxado para a capital do vaqueiro,

A dança de cabra macho criada pelos cangaceiros”.

Por Carlos Silva – Assessor de Comunicação da FCCL