“A expressão viva do folclore brasileiro”. É assim considerado o GRUPO TROPEIROS DA BORBOREMA, de Campina Grande, pioneiro na modalidade de dança folclórica na cidade, o grupo tem se destacado com seu trabalho sério na preservação da cultura popular nordestina, mantendo viva as raízes culturais e resgatando as tradições de nosso povo. Sua criação inspirou-se na formação histórica de Campina Grande, quando a cidade marcava os seus primeiros passos de desenvolvimento.

Os “Tropeiros” foram componentes importantes para o progresso e desenvolvimento do município, transportando alimentos como farinha, feijão, rapadura além de peles de animais, em lombos de jumentos ou mulas, em caminhadas longas que pareciam não ter fim, enfrentando a chuva e o sol quente do sertão. Hoje os “Tropeiros” se erguem como símbolo de garra e amor a sua terra. Vestindo uma nova roupagem artística, dão outra conotação aos velhos “Tropeiros”, mostrando ao Brasil e ao mundo a sua força e a sua pujança na preservação dos costumes e tradições, desta feita, transportando cultura, através da dança. A entidade que se constitui num patrimônio cultural de Campina Grande, é também reconhecida de utilidades pública por força de Leis Municipal e Estadual. Fundado em 05 de maio de 1982, pelos Profºs. Gerson de Oliveira Brito, Josefa de Lourdes L. Brito e Evandro do Carmo Souza.

GRUPO DE DANÇAS GILVAN SANTOS, foi criado logo após a Fundação Cultural Cabras de Lampião, ter sido conveniado como Ponto de Cultura, pelo MINC em 2007, sendo assim, cria-se o grupo como resultado das Oficinas de Danças Populares que passaram a funcionar em vários bairros de Serra Talhada, tornando-se, um sucesso, pois conseguiu juntar muitos adolescentes que possuem interesse pela dança, e a partir disso, surgiu o Grupo de Danças Gilvan Santos, que fez sua estreia em março de 2008.

Estão no histórico do grupo apresentações em eventos, como: Encontro Nordestino de Xaxado, SEQUAST, Balaio Cultural (Petrolândia), Quinta Cultural (Afogados da Ingazeira) Projeto Cultura Livre nas Feiras da Secult-PE/Fundarpe e Secult-ST, chegando a se apresentar também em outros estados e cidades vizinhas, como: Triunfo, Afogados da Ingazeira, Exu, Santa Cruz da Baixa Verde, Calumbi, Carnaíba, Tabira, Mirandiba, Flores e Princesa Isabel-PB entre outras. Atualmente o grupo é coordenado e coreografado por Gorete Lima, sendo esta dançarina do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião. O nome do grupo é fruto de uma homenagem ao ator, dançarino, poeta e grande defensor da cultura nordestina, o inesquecível Gilvan Santos. Foi um dos fundadores da FCCL e foi o primeiro a interpretar o rei do cangaço no Grupo de Xaxado Cabras de Lampião.

SERVIÇO: 14º Encontro Nordestino de Xaxado, que acontecerá nos dias 06, 07, 08, 09 e 10 de novembro, na Estação do Forró, com polos na Feira Livre, em Escolas públicas e no Sítio Passagem das Pedras – onde nasceu Lampião, em Serra Talhada – Sertão do Pajeú, com incentivo do FUNCULTURA/FUNDARPE / SECRETARIA DE CULTURA / GOVERNO DE PERNAMBUCO.

Por Carlos Silva