Fotos: Farol de Notícias/Max Rodrigues
As fotos em destaque nesta semana do “Viagem ao Passado” é do antigo Armazém de venda de couro do casal Antônio Luiz e Dona Rosita. O prédio que fica localizado no início da Rua Cornélio Soares, em Serra Talhada, é marcado por diversas histórias, principalmente para quem viveu na referida rua entres as décadas de 1960 e 1980.
As imagens do repórter fotográfico Max Rodrigues, revelam os traços da arquitetura que predominou nas edificações construídas na cidade no século XX, com portas e teto bastante altos.
Dona Rosita era alemã, seu nome de batismo era Tereza Dolle Geiger, e chegou ao Brasil no final dos anos de 1950 do século passado, veio no rastro deixado pela família Kehrle, que chegou em Serra Talhada ainda na década de 1920.
Os primeiros a chegarem foram os irmãos padres José Kehrle e João Gonzaga Kehrle.
Dona Rosita era uma mulher muito sisuda e esse jeito de ser acabou fazendo com que a mesma não fosse querida pelas crianças. Era comum, entre a meninada, o medo da senhora vinda da Alemanha, a maioria evitava brincar nas proximidades da casa ou até mesmo nas proximidades do armazém.
Outros detalhes que chamam a atenção são os degraus das calçadas, que eram usados como ‘point’ de bate papo da juventude da época e por casais de namorados.
Na imagens também é possível ver os frondosos e históricos pés de ‘fícus’. Esse foram alguns do poucos exemplares da espécie a sobreviverem na cidade logo após o surto do inseto denominado popularmente de ‘lacerdinha’, o inseto incomodou muito a população porque causava coceira e muita irritação nos olhos. Em meio ao surto da ‘lacerdinha’ muito pés de fícus foram derrubados em vários pontos da cidade.